Monday, December 31, 2012

Happy 2013!

Today is the last day of 2012!
Let 2013 be a year full of new expectations, new plans, new successes and new joys!
  
I want to extend these wishes to all the people who are an integral part of my life.
The people who share the day to day with me. 
The people who put up with me the way I am. 
The people I depend on to be a reasonably well functioning adult.
The people who help me function within this complex society of ours.
 
But I also want to extend these wishes to all the others who were, at some point or another, an important or a passing part of my life.

Those who were my friends and with whom I shared wonderful moments.
Those who gave me work and trusted me to accomplish what they expected of me.
Those who protected me from harm and those who helped me in need.
Those who served me in all types of capacity with dedication and a smile.
Those who shared the highways and the narrow roads of this land with me.
Those who made my life less pleasant but were, nonetheless, teachers in the art of living.

To all of those people I am grateful for who I am today, on this last day of 2012.
And to all I do wish a very successful 2013 full of the joys of life.

And last, but not least, the woman who is my irreplaceable companion.
Happy 2013! I love you! 

p.s. She knows who she is!

Saturday, December 1, 2012

Movimento, reunião, acção!

Chega de reuniões! Vamos à acção!
 
Já temos as definições todas. As dos problemas e as das soluções.
 
Vamos à acção para a qual é preciso angariar os recursos apropriados ao problema em mãos. O povo só não chega. Demonstrações de rua só não chegam.
 
Vamos angariar os juristas que possam criar as acções parlamentares
, as acções jurídicas, as acções fiscais para parar esta chuchadeira.
 
Vamos buscar os líderes sociais para criarem as acções sociais e individuais, as acções de resistência passiva que ponha as pessoas no "driver's seat", em vez de andarmos todos a refilar pendurados no rabo do touro.
 
Vamos executar as acções individuais, bem publicitadas, como não trocar de carro para não gastar divisas, andar 20km/h mais devagar nas autoestradas para não comprar petróleo, apagar as luzes 1 hora mais cedo todos os dias para o mesmo fim, comprar legumes na praça em vez de os comprar no super, não usar sacos de plástico (ponto final!), etc, etc.

E mais outras tantas iniciativas individuais que cada um de nós tem a obrigação, como cidadãos, de criar. 
 
Onde andam esses apelos? Apelos à acção!
 
Apelos a mais reuniões para nos convencermos ainda mais que temos muito mais para fazer? Já não vou mais a essas. 
 
Quero participar nos planos de acção!

Inspira-me a lembrança do cartaz montado perto da barragem do Alqueva, que já tinha um plano desde os anos 60 - Construam, porra!

E quando me perguntam - e você o que tem feito?
Estarei a responder orgulhosamente - já faço!
 
Mas em vez de copiarem, riem-se de mim.
 
É este o "point of the situation".
Precisamos de planos concretos de acção individual e social.
Porque toda a gente já concorda que temos de agir.

Thursday, November 8, 2012

Tuesday, October 23, 2012

Carta aberta a Angela Merkel

Dear Chancellor,

I am taking the liberty to address this open letter to you in anticipation of your visit to my country, Portugal, on the 12th of November.

I am sure your staff has prepared you well for this trip, but I would like to take this opportunity to express my views as a citizen of my country and as a citizen of our European project.

Many of my compatriots are eager to demonstrate against you and your position with respect to our debt and our financial position as a country. I can understand their anger, their frustration, and their desire for justice or even vengeance. I am asking for your help. I am asking you to walk, just for a day, in the shoes of a swelling number of my compatriots whose needs I am describing below.

We are all very well aware that Portugal has overspent well beyond its means to pay. And that Portugal has grossly misused funds that were available to us for very noble and worthy purposes.

But I would like to let you know that this Portugal I just mentioned is not the Portugal to which I belong. The Portugal I belong to, with many other of my loyal compatriots, has not spent over its ability to pay, and when this Portugal I belong to has borrowed, it has always paid with interest, in full and on time.

But even so, the Portugal that I belong to has been grossly ignored and has now been asked to pay the debt of the few who scandalously and wrongfully gained from all of the above misdeeds, and who are now spreading the debt to anyone in sight. But mostly the poor among us, making them even poorer.

And so, this Portugal that I belong to, instead of having hope in the future, looking forward to a new era, and becoming a strong and valuable partner in the European consortium, is walking around angry, demotivated and in mourning as the country is plundered, destroyed and reduced to cinders.

Examples of this destruction is now seen in the soup kitchens that grow in numbers and feed more and more people every day. These same soup kitchens now have waiting lists that grow longer every day.

This same Portugal has, over the more recent past, reduced its purchases at the supermarket. It used to buy meat, but reduced these purchases to pork. But even these have already been reduced to poultry. And many are now only eating sausages, if that much. This is visible in the most recent statistics.

In this same Portugal, where taxes are reaching a scandalous imbalance, the rich are getting richer, the poor are getting poorer and those in between are finding more and more in common with the poor. In this Portugal I am describing to you, more and children are getting to school without eating breakfast. More and more people, mostly the older people, are returning home from the pharmacy with only part of the prescription because they cannot afford to pay for all of the medication they need.

But, in this same Portugal, the rich, the governing elites and the corrupt influence peddlers are getting richer by the day, and more hated as the days go by. In the meantime, the superfluous official expenditures and benefits are being preserved. While government employees are being let go in the most important functions to society, such as education and the health services. There are many examples of Health Centers without bandages, syringes or surgical gloves.

There is more crime, more shoplifting, more violence, more distrust, among citizens and with respect to the institutions. There is less investment, less innovation, less entrepreneurship. More and more enterprises are declaring bankruptcy. And many individuals too. Every day that goes by our capacity to function as a peer within the European Community is being reduced. I would say, destroyed. The rupture in the social fabric is becoming scary to us all.

With all this there is less and less capability to pay for our past sins and misdeeds. There is a very strong mistrust in our government leaders.

I am not sure what has transpired at your level about my country. I have a strong feeling it is not the whole truth or even the truth. I have a strong belief that we are not headed in the right direction and that your office has not been well informed by the offices of my country.

There is a generalized feeling of revolt against the "Troika". But I think it is a derivative of our aversion to the measures and attitudes of our government who is seen as a team of puppets with no political savvy and negotiating skills.

There is a strong feeling among my Portuguese compatriots that Portugal should not pay its debt. But whether that is right or just, I do fear that Portugal, the way it is going, will not be able to pay its debt, regardless of whether it is right or just.

I would like to add, as a closing remark, that I do know I am not alone in my feelings, beliefs and convictions.

Thank you very much for your time and consideration.

Best regards,

Sunday, October 7, 2012

O meu neto emigrou

Olá Rodrigo,
 
eu e tua avó temos pensado muito em ti desde que vos deixámos no aeroporto. 
  
Estás bem? Estás contente? É bom estar na Alemanha com os teus pais? Sei que a tua viagem correu bem e que chegaste muito tarde a casa. Mas dormiste bem? Como é que foi acordar na nova casa? E hoje? Como é que foi? Vais fazer alguma coisa gira esta tarde? Já foram dar uma volta pela cidade? Já viste a tua escola? É bonita? 

Desculpa tantas perguntas, mas temos vontade de saber tudo, tudo! Os teus avós são assim, muito curiosos.
 

Tenho pensado em ti. A imaginar o que deves estar a fazer, o que deves estar a ver e a visitar. O que deves estar a pensar e a sentir. Deve ser tudo muito... Interessante? Giro? Excitante? Assustador? Tudo ao mesmo tempo? Deve ser muito bom! Quem me dera ser mosca na parede para ver tudo.
  
Amanhã é o teu primeiro dia de escola na tua nova cidade. Vai ser muito fascinante. Se calhar vais sentir um pouco de medo. Isso é normal. Mas logo, logo vais fazer amigos e amigas e já não vais ter medo. Depois vais ficar atrapalhado porque não percebes o que estão a dizer. Mas tu és muito esperto e vais aprender a língua muito depressa. Até os professores vão ficar admirados. Vais ver.
    
Vais estar muito ocupado com tudo. É tudo novidade. Até vai parecer que estás num planeta diferente. Mas quando tiveres tempo, manda-nos notícias para irmos sabendo como tu e os teus pais estão. 
  
Os teus avós são assim, muto curiosos.

Um beijinho para ti. 
Dá por nós beijinhos aos teus pais (não te esqueças).
Um abração daqueles que tu sabes dar,
o avô e avó que te amam muito.

Nota: O meu neto emigrou ontem com os pais.  Já temos saudades.

Portugal habituou-se...

Citação - “Portugal habituara-se a viver, demasiado tempo, acima dos seus meios e recursos”.
   
É muito revoltante esta incessante privatização das capitalizações e esta democratização das dívidas... 

A essa do "Portugal habituara-se..." pergunto, "quem" em Portugal se habituou?

Esta pergunta necessita de resposta urgente! E esses "quem" que paguem! Eu não faço parte desses "quem".
  
Eu, não faço parte desse Portugal! 

Eu pertenço a outro Portugal! Eu pertenço ao Portugal de gente honesta que sempre trabalhou pelo que tem, e quando pediu emprestado, pagou com juros, a tempo e horas. Portanto, o "Portugal que se habituara..." então que pague!  O Portugal a que eu pertenço não tem nada a pagar!
  
Revolta-me sobremaneira esta constante e insolente democratização das asneiras cometidas por incompetentes gananciosos e irresponsáveis.
   

Para onde vamos...

Desabafo!
 
O primeiro ministro afirmou que este des-doverno sabe para onde vai.
Além de eu saber bem para onde deveriam ir, não acredito que saiba para onde vamos nem para onde devemos rumar.

 
Este des-governo não tem objectivos! 

Por isso não pode saber para onde vai.
 
Os polícias já não têm dinheiro. Esta é a última!
Os velhos não têm reformas. Tiraram-lhas.
A educação perde recursos. Tiraram-lhe.
A saúde perde capacidades. Tiraram-lhe.
A sociedade sente-se mal. Por falta de confiança no des-governo.
As despesas do estado não param. Ainda têm as benesses.
A economia perde poder de compra. Baixaram os salários.
Os impostos sobem. Para pagar as dívidas dos banqueiros.
As receitas baixam. Porque assim não podem subir.
E sabe para onde vai? Não sabe!
Pois deve saber. Para o fundo!
Mas não é para aí que devemos ou queremos ir! Sabia?
Será que o primeiro ministro sabe disso? Não sabe!
Tal como não sabe para onde devemos ir. Nunca soube!
Nem como lá chegar!

  
Mais uma vez mente aos portugueses!

Tuesday, October 2, 2012

Sexalescência

Se estivermos atentos/as, podemos notar que está a aparecer uma nova franja social: a das pessoas que andam à volta dos sessenta anos de idade, os sexalescentes : é a geração que rejeita a palavra "sexagenário", porque simplesmente não está nos seus planos deixar-se envelhecer.
 
Trata-se de uma verdadeira novidade demográfica - parecida com a que, em meados do século XX, se deu com a consciência da idade da adolescência, que deu identidade a uma massa de jovens oprimidos em  corpos desenvolvidos, que até então não sabiam onde meter-se nem como vestir-se.
 
Este novo grupo humano que hoje ronda os sessenta teve uma vida razoavelmente satisfatória.
 
São homens e mulheres independentes que trabalham há muitos anos e que conseguiram mudar o significado tétrico que tantos autores deram durante décadas ao conceito de trabalho. Que procuraram e encontraram há muito a actividade de que mais gostavam e que com ela ganharam a vida.
 
Talvez seja por isso que se sentem realizados... Alguns nem sonham em reformar-se. E os que já se reformaram gozam plenamente cada dia sem medo do ócio ou da solidão, crescem por dentro quer num, quer na outra.
  
Disfrutam a situação, porque depois de anos de trabalho, criação dos filhos, preocupações, falhanços e sucessos, sabe bem olhar para o mar sem pensar em mais nada, ou seguir o voo de um pássaro da janela de um 5.º andar...
 
Neste universo de pessoas saudáveis, curiosas e activas, a mulher tem um papel destacado. Traz décadas de experiência de fazer a sua vontade, quando as suas mães só podiam obedecer, e de ocupar lugares na sociedade que as suas mães nem tinham sonhado ocupar.
 
Esta mulher sexalescente sobreviveu à bebedeira de poder que lhe deu o feminismo dos anos 60. Naqueles momentos da sua juventude em que eram tantas as mudanças, parou e reflectiu sobre o que na realidade queria.
 
Algumas optaram por viver sozinhas, outras fizeram carreiras que sempre tinham sido exclusivamente para homens, outras escolheram ter filhos, outras não, foram jornalistas, atletas, juízas, médicas, diplomatas... Mas cada uma fez o que quis : reconheçamos que não foi fácil, e no entanto continuam a fazê-lo todos os dias.
 
Algumas coisas podem dar-se por adquiridas.
 
Por exemplo, não são pessoas que estejam paradas no tempo: a geração dos "sessenta", homens e mulheres, lida com o computador como se o tivesse feito toda a vida. Escrevem aos filhos que estão longe (e vêem-se), e até se esquecem do velho telefone para contactar os amigos - mandam e-mails com as suas notícias, ideias e vivências.
 
De uma maneira geral estão satisfeitos com o seu estado civil e quando não estão, não se conformam e procuram mudá-lo. Raramente se desfazem em prantos sentimentais.
 
Ao contrário dos jovens, os sexalescentes conhecem e pesam todos os riscos.
Ninguém se põe a chorar quando perde: apenas reflecte, toma nota, e parte para outra...
 
Os maiores partilham a devoção pela juventude e as suas formas superlativas, quase insolentes de beleza ; mas não se sentem em retirada.
 
Competem de outra forma, cultivam o seu próprio estilo... Os homens não invejam a aparência das jovens estrelas do desporto, ou dos que ostentam um fato Armani, nem as mulheres sonham em ter as formas perfeitas de um modelo. Em vez disso, conhecem a importância de um olhar cúmplice, de uma frase inteligente ou de um sorriso iluminado pela experiência.
 
Hoje, as pessoas na década dos sessenta, como tem sido seu costume ao longo da sua vida, estão a estrear uma idade que não tem nome. Antes seriam velhos e agora já não o são. Hoje estão de boa saúde, física e mental, recordam a juventude mas sem nostalgias parvas, porque a juventude ela própria também está cheia de nostalgias e de problemas.
Celebram o sol em cada manhã e sorriem para si próprios...
 
Talvez por alguma secreta razão que só sabem e saberão os que chegam aos 60 no século XXI ...
  
Autoria desconhecida

Thursday, September 27, 2012

Open letter to Durão Barroso

I listened, with mounting indignation, to the speech on "a democratic federation of nation states" by Durão Barroso at the EU Parliament in Strasbourg a couple of weeks ago. Since then, and over the course of my daily life, I eventually calmed down until our TV networks replayed the speech earlier this week. And then my indignation resurfaced.
  
The time that elapsed between the speech and the TV replay allowed me to come to grips with my indignation. I can now clearly define the reason for this indignation. And the reason is that Mr. Barroso's failed to describe how his solution to the problems we now face in the European Union, as well as in the individual countries, has anything to do with the problems themselves.

Mr. Barroso pointed out that the inability of governments thus far to respond effectively to economic developments was "fueling populism and extremism in Europe and also elsewhere".

It was obvious that to Mr. Barroso the problems are economic problems. That is it. This is dangerous thinking coming from a politician at such a high level.

Under the circumstances I feel obligated to tell Mr. Barroso that the EU is in crisis because:
  • trust between people and government institutions is at an all-time low,
  • trust among people from various countries, not only within the EU, but among all world people, is at an all-time low,
  • war mongering is at an all-time high, while peace proposals are at an all-time low,
  • the impoverishment of the population at large is reaching all-time highs,
  • wealth inequality has reached an all-time high, and people see no end to this socially toxic trend, perhaps the single biggest cause of the extremism and populism referred to in the speech,
  • public fund misuse is at an all-time high, not to speak of corruption,
  • unemployment for all age groups, has reached an all-time high
  • employment opportunities, for all age groups, is at an all-time low
  • social and individual anxiety levels over the ability to earn a dignified living is at an all-time high, yet the EU has set the goal to reach the rate of 70% full-time employment, while the remainder 30% will have to do with temporary or part-time work,
  • the cost of health care has been rising and its quality has been dropping while the EU promises further cost increases and quality cuts,
  • the cost of education has been rising and its quality has been dropping while the EU promises further cost increases and quality cuts,
  • fuel costs have reached an all-time high, and the EU has no concerted plan to address the coming fossil fuel crisis,
  • environmental degradation costs are affecting every citizen and every country in the EU, while the politicians have shown no political will to address its dangerous trends,
  • climate change has more than given us indicators that all is not well, while the EU governance has shown no political will to address what the citizens of the EU and worldwide wisdom consider as dangerous trends.
I could enumerate a few more indicators of the EU crisis. Indicators of great value to the achievement of a successful society. The EU economists publish them regularly. The EU website publishes them.

That is why, Mr. Barroso, as you well indicated, neither the citizens of the EU nor the World at large seem to have much confidence in what we call Europe.

Having said all this, I request that you, Mr. Barroso, explain to the us, the people, the citizens, the voters, those of us who are the actual building blocks of our Europe, how "a democratic federation of nation states" is going to address the above-mentioned problems. 

I also do urge all politicians in Brussels to come out of their ivory towers and talk to the people on the street and check it out for yourselves. I urge you and all of them not to rely on reports your receive on your desks written by your staff sitting at their desks.
 
That will be much more constructive to the strengthening of the EU we all hope for than patronizing statements that say that "Europe's member states on their own are no longer able to effectively steer the course of events". What does this mean?

Wednesday, September 19, 2012

Da esquerda ou pelo direito?

Para uma questão de transparência em assuntos de política, eu gostaria que não nos esquecessemos do que foi em tempos chamado de direita e o que foi chamado de esquerda.
 
Ora a direita eram os ditadores, os financeiros, o salazarismo, o franquismo, os que zelavam pelo poder do capital, os donos da terra, os que usavam o povo como peça da máquina financeiro/económica, os dos trickle down reaganomics, dos thatcherismos, dos submarinos, das pontes sobre o Tejo, das 3 autoestradas para o Porto, etc. Isso foi o que recebeu o nome de direita, e ainda o é! Convém não esquecer!
 
A esquerda eram os comunistas, os socialistas, os anarquistas, os hippies, os movimentos de estudantes, os do outro lado, do lado do povo como seres dignos de serem tratados como seres humanos, com dignidade, do 25 de Abril. Mas para os desvalorizar, chamaram-nos de esquerda, e a esquerda sempre foi o lado demonizado, o lado sinistro. Não era bom ser canhoto. Até calhava bem. E dava jeito aos da direita. E ainda dá muito jeito continuar a demonizar!
  
Acho que está na hora de passar a chamar os partidos da tal direita pelo seu devido nome, exploradores do povo como máquina productiva, e aos partidos da esquerda pelo que são, defensores da dignidade humana. Por muitos defeitos e valores que cada um possa ter, essa é a essência dos dois lados da moeda política.
   
Deixemo-nos de branqueamentos com direitas e esquerdas. Até com cores, como se esses conceitos fossem passivos de cores à moda de clubes desportivos. Pseudónimos de conveniência apenas para alguns.

Monday, September 17, 2012

Os problemas de hoje



Hoje acabei de ler alguns dos artigos que me faltavam ler na edição de sábado do meu jornal favorito. Deprimente, foi a palavra que me veio ao pensamento. Os temas abordados são-nos já familiares, crize financeira, licenciaturas de fim de semana, incêndios e vidas destroçadas, crimes hediondos cometidos tanto por meros cidadãos e como por governantes conhecidos, défice das receitas do estado, juros a subir e a descer, mais impostos, mais desempregados, menos postos de trabalho, comportamentos duvidosos ou descaradamente corruptos dos governantes e outros políticos, enfim, um enxorrilho sem fim de males e maleitas. Qual delas a mais deprimente.
  
Fiquei a pensar na situação atribulada que envolve o nosso país. Tentei ler nos comentários de economistas possíveis soluções para o caos em que vivemos. Não encontrei nada que me convencesse. Apenas mais do mesmo neo-liberalismo que nos trouxe até aqui.
 
Um artigo, por exemplo, mencionava o enfraquecimento da classe média ao longo das últimas décadas e a necessidade de reconstruir o poder de compra dessa classe média. Isto iria incentivar o consumo nacional e portanto iria propulsionar a anémica e letárgica economia. As grandes empresas precisavam porém de manter os seus custos baixos para poderem competir no mercado internacional e assim venderem mais, propulsionando a economia e a criação de postos de trabalho.
 
Ou seja, uma classe média fortemente dependente das empresas que mantiverem a competitividade à custa da classe média. E eu pensei, à custa de baixos salários pagos à classe média que o economista achava ser chave na recuperação da economia. Acho esta lógica circular. Sempre achei. Veio-me então à mente a frase atribuída a Albert Einstein - os problemas significativos que enfrentamos não podem ser resolvidos com o mesmo nível de pensamento em que estávamos quando os criámos.
 
Realmente! Temos de começar a pensar de modo radicalmente diferente.
 
Mas permitam que elabore mais um pouco o pensamento circular acima. A classe média iria portanto receber salários mais baixos para que a empresa pudesse ser lucrativa e competitiva. E com esses salários mais baixos essa classe média fortalecida iria consumir mais e assim iria incentivar as vendas das ditas empresas.
 
Ocorreu-me então, eureka, que enquanto os nossos postos de trabalho, o nosso poder de compra, os produtos de que necessitamos continuarem a depender das grandes empresas não sairemos deste labirinto. Enquanto as grandes empresas dominarem o horizonte económico não será possível sair do problema que criámos. Nunca teremos uma classe média forte e nunca nos livraremos da probreza.
 
Uma classe média forte tem de depender de alternativas, de variedade nas oportunidades de emprego. Uma classe média forte não pode por um lado exigir remunerações dignas do ser humano e ao mesmo tempo produzir a baixo custo para as mesmas empresas. Com poucas oportunidades de trabalho as empresas estarão sempre em posição de controle no que se refere a níveis salariais. É o pesadelo da lei da demanda e da oferta a funcionar. Não vejo nem regras nem leis que travem esta realidade.
 
Isto é, um mercado de trabalho com muita oferta e pouca procura, e a automatização continuará a reduzir a procura, não permitirá uma classe média forte, nem a ausência de uma classe pobre. É uma classe média sem resiliência aos embates dos mercados, esse monstro que aparece em todos os artigos dos jornais.
 
Uma classe média forte só pode existir quando houver uma classe empreendedora diversificada, dinâmica, competitiva e abundante. Uma classe média forte terá que ser também empreendedora. Isto leva-nos a um modelo económico onde prevalecam as pequenas e médias empresas. Onde o trabalhador tem oportunidade de criar os productos de que precisa. Onde os regulamentos são feitos para proteger o ser humano e não para criar barreiras de entrada a novas oportunidades empresariais.
 
Uma classe média forte tem de ser productora de bens de consumo. Desde os mais essenciais até aos mais lúdicos. É neste campo que o movimento internacional das Transition Towns, das Comunidades em Transição faz muito sentido. Um movimento cívico que defende e promove a resiliência das comunidades. Que incentiva a auto-suficiência das comunidades, grandes e pequenas, em tudo o que seja de necessidade básica.
 
As Comunidades em Transição, com dinâmicas representações em Portugal, estão a pensar como dizia Einstein - os problemas significativos que enfrentamos têm de ser resolvidos com um nível diferente de pensamento. Não podem ser resolvidos com a mesma mentalidade que tínhamos quando os criámos.

Sunday, September 16, 2012

Fui à manifestação... e vi gente deliciosa!

De tudo o que vi ficaram-me de exemplo alguns em especial...
  
   
... também aqueles que os pais levaram consigo...
  

.. e que lá estiveram a cantar e a bater palmas...  

 

... e os que os pais levaram consigo para não faltarem à manifestação.
 





Fui à manifestação... eu e os cartazes!

Os cartazes, feitos de tudo, papel, cartão, plástico, cabos de esfregonas, disseram tudo o que todos queriam dizer. 
  
E isso eu achei muito inspirador e ilustrativo do que um montão de gente pode fazer - todos juntos contribuindo construtivamente para um todo inclusivo.
  
Os políticos de hoje (nem de nunca) não querem essa inclusividade, mas, que se lixem, acabou a mama. De hoje em diante vai ser diferente!
  
















 

Fui à manifestação... eu e a multidão!

Fui à manifestação.
 
Não é possível descrever, só por palavras, a energia, a dedicação, a força, a indignação, a raiva que aquela gente trazia consigo.
 
Eram pessoas de todas as idades. Idosos como eu, jovens, muitos jovens, o que me alegrou sobremaneira, crianças, crianças de colo, porque os pais decidiram que ficar em casa por causa da bébé não era opção, e isso tocou-me cá dentro.
 
Gente, muito provavelmente de todas as profissões, de todas as camadas sociais, sofrendo a diferentes níveis com os resultados deste desgoverno contra o qual todos nós nos manifestávamos.
 
As fotos que se seguem, algumas das muitas que eu e tanta gente à minha volta tirava, para contrariar qualquer declaração oficial que tentasse desvalorizar com estatísticas manhosas o que ali se passou pelas avenidas, pelos jardins, pelas praças, pelas ruas de Lisboa.
 
Nota: Se alguém aparecer aqui e preferir que a sua fisionomia não seja reconhecida, agradeço que me avise para eu retirar essa foto. 
 














Saturday, September 15, 2012

Vou à manifestação hoje!

Vou à manifestação hoje!
 
Vou manifestar-me contra a ingerência deste país!
  
Vou encontrar-me cara a cara com gente como eu!
  
Vou participar no início de uma mudança radical!
 

Nem que a voz me doa!

Thursday, September 13, 2012

Na manifestação de 15 de Setembro.

Tenho-me debatido sobre o que é que vamos fazer nesta manifestação.

Sei que vamos fazer barulho e acusar os dirigentes e políticos de todas
as suas más condutas.
Mas vamos apenas para deitar cá para fora a nossa raiva?
Será que vamos ser ouvidos?
Que alguém nos vai prestar atenção?
Que depois iremos ver mudanças no que nos aflige?

Tenho imensas dúvidas.

Acredito porém que devemos fazer ouvir a nossa revolta,
mas, temos de exigir que coisas aconteçam.

Por mim, quero exigir:
- Que se demitam todos os dirigentes a todos os níveis,
- Que se crie um governo provisório até às próximas eleições,
- Que haja eleições a todos os níveis em Novembro de 2012.
- Que se investiguem as causas, os incentivos, os actores,
   e os beneficiários desta crise em que nos meteram,
- Que se estabeleçam objectivos para o país e para os cidadãos.
   para que não seja sempre esse famigerado PIB e esse défice
   que acabam por nos sacrificar para além dos nossos pecados.

Desejo que se não forem estas as nossas exigências, que haja outras, 
mas irmos só fazer barulho não vai valer o esforço que cada um de nós 
vai por nesta manifestação.

Monday, August 13, 2012

Esteve boa a festa, pá!

Assisti emocionado à festa de encerramento das Olimpíadas de 2012 em Londres. Mas ainda bem que não era só eu quem estava emocionado. Toda a gente ali estava emocionada e festejava. Grande festa!
 
O espectáculo foi bom! Foi muito bom! Muita música e muita alegria! Uma celebração, uma festa feita para a juventude que participou nos jogos, essa juventude que deu tudo por tudo e que nos mostrou de quanto o ser humano é capaz. Uma festa também para todos, e para os voluntários e voluntárias, sempre sorridentes e atentos, que deram o seu tempo para que tudo corresse bem e não houvesse confusões, mas que no fim dançavam com os demais.
 
Foi linda a festa, pá!
 
Acho que dava para sentir o ambiente de calma e descontração que pairava na cidade. Para quem assistiu, sabe do que estou a falar. Para os que não viram, recomendo sinceramente que tentem ver uma gravação, que de certo muita gente fez.
 
Mas além de vir celebrar mais uma vez aquela celebração, também vim aqui queixar-me. Vim queixar-me, e mais uma vez, dos reporteres da televisão que não conseguiram deixar de fazer comentários extemporâneos sobre o custo e a rentabilidade do estádio, sobre o custo financeiro dos jogos, sobre o futuro daquele estádio e sobre a possível sub-utilização do mesmo. Isto custa dinheiro, diziam eles.
 
Ora bolas! Naquele momento em que se celebrava aquela juventude, aquele crème de la crème do nosso desporto, do desporto mundial, e a preocupação daquelas mentes mesquinhas eram as finanças? Como dizem os nossos amigos da terra onde serão os próximos jogos - oh meu, tem dó! E eu diria mais - já não há mais pachorra para o género!
 
Uma sugestão para esses iluminados da nossa precária TV - quando se canta o Feliz Aniversário numa festa de anos não se discute o preço do bolo. OK?
 
Deu para entender? 
  
Agora vou continuar a celebrar aquela gente!


Wednesday, August 8, 2012

O país do "não" nas Olimpíadas de Londres

Tenho acompanhado com muita ansiedade misturada de alegria e por vezes um pouco de tristeza o desempenho dos nossos atletas.
 
Tenho-me deliciado a ver pela televisão equipas e indivíduos com a nossa bandeira bordada no peito e o sangue luso no coração a dar tudo por tudo para conseguirem ficar bem colocados. Muitas vezes a vencer obstáculos com os quais nós nem sonhamos.
 
Tenho-os visto a bater atletas de países que consideramos "fortes" o que me tem dado muito orgulho, ansiedade e alegrias indescritíveis.
 
Mas também tenho observado e notado o modo como os nossos comentadores conseguem sempre encontrar uma maneira de expressar os deliciosos resultados obtidos em termos que considero negativos, derrotistas até.
 
Tenho ouvido comentários como - ah, aquele atleta por tantos décimos de segundo que não conseguia... a nossa equipa nem sequer chegou a... por pouco que aquela vitória não era desse ou daquela atleta. Se não fosse a adversária ter perdido o ritmo...
 
Aí as minhas emoções passam-se da ansiedade para a angústia e para a ira, para uma quase raiva que não sei explicar. Será que não há palavras diferentes para descrever o que os nossos atletas conseguiram? Para ilustrar o que quero dizer, deixem-me transcrever o parágrafo anterior de um modo mais positivo. 
  
Por exemplo - ah, aquele atleta conseguiu, por meros décimos de segundo, arrancar a vitória das garras do adversário... a nossa equipa conseguiu fazer aquilo que equipas consideradas mais fortes e com mais experiência não conseguiram... aquela vitória foi sensacional! Uma luta renhida até ao fim! A nossa atleta não perdeu o ritmo...
  
Só no país do não, que já descrevi aqui neste blogue, é que eu observei tal negatividade. Tenho muito receio que nos estejamos a deixar influenciar pelo país do não. Sei que não é longe, esse país, mas acho que temos garra para não nos deixarmos influenciar pelo que lá se faz. 
 
Será que os comentadores da televisão têm andado a visitar esse país do não tão frequentemente que já se deixaram cair nessas práticas tão derrotistas? Se isso é verdade, então é altura de se lhes retirar o microfone, e, já agora, o cartão do sindicato. 

Não merecem, nem um, nem o outro.

Friday, July 20, 2012

Acabem-se com as facturas!

Tenho tentado seguir esta azáfamada discussão sobre as facturas. Mais factura, menos factura. Recibo com e sem factura. Para certos valores, mas não para outros... Faz-me espécie!

Será que não estamos a perpetuar uma complicação criada há não sei quanto tempo, não sei por quem, nem porquê?

Porque não se acabam com as facturas? Sim!

Acabam-se com as facturas! Os recibos passam a ter a estatura que têm no mundo comercial. São a prova que houve aquela transação comercial. As Finanças que se acomodem! Porque é que o cidadão tem de arcar com os custos de umas Finanças arcaicas?

No supermercado eu pago com cartão do banco. Recebo um recibo com os itens todos descriminados... os serviços prestados, os produtos adquiridos, estão todos discriminados. Os participantes na transação também estão bem identificados. Ah! Mas não é factura! Dizem-me. Não? Mas porquê? Mas o que é a factura afinal? Mais um papel com um número que não serve para ninguém, excepto as Finanças? Pelos vistos, né?

Porque não aplicar às Finanças um pouco da medida de contenção de custos que tanto impõem ao cidadão? Ou seja - acabam-se as facturas e os recibos passam a ser o documento comprovativo da transação. Recibo passa a ser factura! Ponto final!

Ainda não consegui identificar uma razão sólida, sine qua non, para a existência da factura no nosso mundo de hoje. Noutros países o recibo é documento. Porque não cá?

Alguém sabe explicar?

Saturday, July 14, 2012

Zanzibar - Stone Town

Stone Town é a capital de Zanzibar. Deve o seu nome ao facto de que nos velhos tempos da sua existência era a única povoação com casas de pedra. Pedra de coral que forma a massa rochosa da ilha de Zanzibar.
  
Dhow no estilo original no Museu do House of Wonders

Stone Town fica virada para o continente africano. Talvez porque deste lado da ilha havia mais proteção para as embarcações que aqui se abrigavam das tempestades, talvez porque aqui a natureza providenciou um porto fundo, talvez porque aqui havia água potável.

Stone Town foi uma encruzilhada de gentes a caminho dos seus destinos. Aqui vieram parar imigrantes vindos da Índia que aqui encontraram terreno fértil para cultivar especiarias. Aqui chegaram Árabes que traficavam em peles, especiarias e escravos. Aqui passaram por algum tempo Portugueses que, mandados por El-Rei, buscavam as riquezas do Oriente. E por aqui passaram Ingleses e Alemães durante as épocas mais recentes.

Destes ficaram os descendentes dos Indianos. Vieram e ficaram. Misturaram-se com os povos locais. Trouxeram especiarias que passaram a cultivar. Trouxeram o estilo das suas moradias que deram a Stone Town o seu aspecto característico. 
  
Varanda numa casa senhorial de origem indiana
  
As portas das moradias indianas foram construidas como eram no país de origem. Com grandes saliências de latão cuja utilidade era de proteger as moradias das investidas dos elefantes de combate. Aqui em Zanzibar não foram precisas mas a tradição manteve-se.
  

As suas vestes, bem adaptadas aos climas tropicais, influenciaram o modo de vestir dos que aqui viveram e ainda vivem. Principalmente as vestes das mulheres.

 
Os Árabes vieram, trouxeram a sua religião, o Islamismo e compraram escravos. Alguns criaram um ambiente déspota que durou algum tempo. Mas isto valeu-lhes a revolta dos povos oprimidos que os expulsou. Destes pouco ficou excepto a memória de um déspota que resolvia as discussões com o auxílio da sua metralhadora pessoal.
  
Memorial à escravatura. O personagem mais ao fundo representa o africano conivente
  
Muitos dos escravos capturados no interior do continente africano morriam pelo caminho. Os que sobreviviam eram enclusurados em pequenos compartimentos na cave do edifício que servia de mercado de escravos.
  
 Sala de espera para escravos. O pé direito tem 1,20m.
  
Os Portugeses passaram por aqui e tentaram conquistar os locais à lei da força. Compraram e venderam escravos, actividade que ainda hoje é duramente lembrada. Não cultivaram nada. Deixaram o costume de uma garraiada na Ilha de Pemba (não é a de Moçambique).
  

Deixaram a influência da língua numas 50 palavras que passaram a fazer parte da língua local, o Swahili, uma língua de origem Bantu.
  

Dos Ingleses ficou uma memória associada à luta contra a escravatura. David Livingstone ficou imortalizado nos mais requintados detalhes do interior da Catedral Anglicana em Stone Town.
  
  

Dos Alemães pouco se fala. A sua influência ficou mais vinculada às terras altas do país do Tanganica que depois de se juntar a Zanzibar deu origem ao que hoje é conhecido por Tanzânia.
  
Stone Town orgulha-se muito nos seus. Entre os seus filhos conta-se Freddie Mercury cuja família ainda reside na cidade.
  
  
O local da casa dos Mercury, a loja onde se podem comprar CDs e fotos do falecido cantor, e a porta da casa (acima) fazem parte do roteiro turístico de qualquer guia que se preza.