Sunday, January 22, 2017

Open letter to President Trump

Today's ceremony, however, has very special meaning because today, we are not merely transferring power from one administration to another or from one party to another, but we are transferring power from Washington, D.C. and giving it back to you, the people.

Mr. President,

That statement does sound promising and in that line of thought I want to make a few suggestions:

  1. Disband the Electoral College, let the people's votes count for real, across the whole nation;
  2. Make voter suppression illegal and punishable, let the power of the people be in every voter's hands;
  3. Make gerrymandering illegal and punishable, let the voters chose their candidates and not the candidates chose their voters;
  4. Appoint independent committees to revise the electoral map and make it reflect population densities and not party affiliations.
I want to request that you enact these, asap, as these are so much more important to return power to the people and confidence in your administration.

And while you are at it please:

  1. do NOT eliminate Obamacare and leave millions of people vulnerable and powerless;
  2. do NOT reduce Medicare benefits and make millions more helpless;
  3. do NOT reduce Social Security benefits thus taking away a valuable safety net for those who honestly contributed all their lives;
  4. do NOT cancel the reduction in the Federal Housing Administration’s annual fee for most borrowers.
Actually these last four items do remove power from the people and this goes absolutely counter to your commitment to the people.

Please make "we the people" look forward to the next four years and not just to the quick passing of the next four years.

Best regards,

Sunday, September 4, 2016

The future of work

I have read a bit about the future of work. Or, to be more precise, the lack of future for those who need and want to work. Quite honestly, I do not like it. As a human being with children and grandchildren I do not want it neither for them nor for all future generations.

At the current rate of technological progress most economists predict that in the very near future robots will produce all the basic goods we need. There will be less and less jobs as robots take over more complex tasks. Wealth creation and accumulation will be restricted to the already wealthy and the innovative few. Humanity, starting with the developed countries, will be faced with mass unemployment. Salaries and purchasing power will continue to drop. This is unsustainable and something needs to happen so that the produced goods can be bought by the others, the masses without jobs and without income. Pretty dire no doubt!

The solution proposed by economists is to have a basic universal income that will be enough to provide for all our basic needs. The average person will not need to work but can go and find work if he/she wants more than just cover those basic needs. Without the need to work to cover all the basic needs the average person can then dedicate his/her time to whatever he/she really likes to do. This basic universal income will be funded from the wealth produced by all the robots and their owners.

I know this description sounds rather superficial, maybe even simplistic, but it is the essence of the proposed universal income solution.

This solution is an economic solution, not a people oriented solution. In fact it is, in my view, very unrealistic. It may solve part of the economic equation but it does not solve the human equation. In fact it exacerbates very pertinent issues such as inequality and lack of opportunity. For instance, what will the average person do if he wants work but cannot find it? Remember that at this stage of the game the masses are all in this "no job, go do something that you really like to do". Not for a living, but to occupy your plentiful idle time. Close your eyes and imagine yourself living in your community under this scenario.

But let me go further into the human mind, into potential human responses to the proposed solution. This universal income solution
  • is ignoring the feelings of exclusion that it will create due to lack of opportunity;
  • does not consider current initiatives by people who want to turn to low or high tech agriculture, weaving, carpentry, etc. to produce unique lasting goods, not Walmart or IKEA run of the mill goods, or tasteless fresh produce originating in "agricultural factories";
  • does not consider the need to give work opportunities to people in developing countries who need opportunities to occupy their low tech yet very useful skills;
  • ignores the human need and desire to feel useful and included. This is already visible in retirement communities whose members are way too healthy and too active to coast their remaining days and are often desperate to be included in their communities;
  • is another on the dole for all who cannot find a job and creates a miserable feeling of lack of control over his/her destiny, not to speak of the negative impact on one's personal pride; the defunct USSR is a clear example of how universal solutions can backfire;
  • it opens a dangerous door to opportunistic abuse by those who live in developing world countries lagging behind and where the negative effects of the robot age will be most serious;
  • it hollows out one's sense of hope in a better future and erodes one's confidence in one's capability of being the best one can be;
  • and the list goes on. Humans are very complex beings, much more that economic entities.
It is important to realize that people want to be included, feel part of their communities and have a useful occupation. This is in the heart and soul of all humans.

A solution to the robot age cannot ignore the human being as a complex human and this universal income solution treats human beings as economic pieces, not as part of a community of humans. The planet Earth community.

I hope this robot factory wealth funded universal income as it has been promoted never comes to pass without serious consideration to all the human factors I mentioned above. For those in power, please do bring in the sociologists, the psychologists and the people before making any decisions.

Sunday, February 7, 2016

What I value most…

A listening ear,
Even when I am wrong,
Especially when I am wrong,
When I know I am wrong.
And you do not have to tell me.
The cold world out there has told me so,
And I do not need to hear it again.

In those moments,
Just tell me…
Just tell me you know how I feel,
Because that is all that it takes
To soothe the pain,
To heal the wounds
I know I brought upon myself.

Just tell me…
No, don’t tell me anything.
Just listen to me vent,
Just listen to me cry,
Just listen to me!

And when I am wrong
Don’t tell me how I should do it next time,
I know what I should do next time,
The lesson has already been learned,
And that is not what I need now.
A friend to cry with me...
Or just hear me cry.
That is all.

That is what I value most,
Because all other moments
Are easy compared to these.

Friday, November 27, 2015

Não há esperança?

Ou é uma questão de serem "espíritos de porco"?

Espírito de porco é uma expressão brasileira que diz tudo. Ser espírito de porco é ser complicado, ser do contra, só ver o lado ruim das coisas e não ver onde está a esperança.

É o que deve atormentar estes comentadores na televisão. Todos devem ser ou ter espíritos de porco. E até os apresentadores.

Quando lá estava o anterior governo estava tudo ou quase tudo mal (e eu concordo). Havia tramas por todo o lado. Não se podia confiar em ninguém. Eram todos uns malandros. Nada funcionava, e não havia uma saída que se vislumbrasse, por muito longe que quiséssemos estender o nosso olhar. Por muitos e variados que fossem os comentadores ou apresentadores, tudo era negro. Era nítida a presença dos espíritos de porco.

Depois tivemos as eleições. E os comentadores comentaram que todos os partidos e todas as possiblidades, conjeturadas ao ínfimo detalhe, iriam trazer problemas. Em nenhuma possível solução havia uma réstia de esperança em melhorias para Portugal. O governo que lá estava, esse já sabíamos que estava mal. Mas o que pudesse substituí-lo só iria ficar pior. Muito pior. Não faltaram os espíritos de porco.

Agora temos o novo governo. E para estes comentadores e apresentadores tramados o horizonte já está a ser prognosticado como tenebroso. Isto ou aquilo vai dar mal. Não vai haver ponta por onde se lhe possa pegar. Ainda não demos tempo para o novo governo aquecer o lugar mas as conjeturas sobre o seu flhanço e a sua derrota já estão a ser explorados pelos, ora nem mais, pelos espíritos de porco.

E eu pergunto-me. É só essa gente que tem espírito de porco? Oxalá que sim, mas mesmo que sejam só eles, são um tropeço, nada mais do que uns espíritos de porco a estragar a esperança que qualquer cidadão bem intencionado possa ter.

A esses comentadores e apresentadores dos média, a esses e outros espíritos de porco, só lhes peço que se calem e deixem sossegados os que têm esperança e vontade de trabalhar para um país melhor. Deixem-nos com as mentes sossegadas para fazer o melhor do melhor.

Ah, e já agora, vou desligar a televisão por uns dias na esperança de que os espíritos de porco já se tenham calado quando eu decidir ligá-la de novo. Oxalá!

Monday, August 24, 2015

The financial crises

There is a strong, albeit also a weak link, in the international financial system. It is called the "creditor of last resort". This creditor is the one who ultimately pays for all the follies. Because follies, that is what all crisis are.

When a private bank becomes insolvent there is a national central bank that injects money. But this creditor is not of last resort.

When the national bank runs out of cash there are always supra-national banking systems (ECB, WB, IMF) that lend money to plug the holes in the balance sheet. But these are not creditors of last resort either.

When the supra-national loans have to be paid, then the national banks, through their respective governments, activate their "creditors of last resort". And these are the tax-payers who have no option but to pay up.

For as long as the tax-payers continue being the "defenseless creditors of last resort" there will be no end to this charade called... call it whatever you want to call it... but typically this charade it is pompously called the international financial system.

All this is nothing but a generalized practice of "moral hazard" throughout the financial industry. None of the players can claim immunity.

A crise financeira

Há um ponto forte, embora também fraco, no sistema financeiro internacional. Chama-se o “credor de último recurso”. Este credor é o que no fim de contas paga pelas asneiras do sistema financeiro. Porque asneiras, são o que fazem as crises.
Quando um banco privado se torna insolvente há sempre um banco nacional central que injeta dinheiro. Mas este não é o credor de último recurso.
Quando um banco nacional não tem mais dinheiro há sempre sistemas bancários supranacionais (BCE, BM, FMI) que emprestam dinheiro para tapar os buracos no balancete. Mas estes também não são os credores de último recurso.
Quando os empréstimos supranacionais têm de ser pagos, então os bancos nacionais, através dos seus respetivos governos, põem em ação os “credores de último recurso”. E estes são os contribuintes que não têm outra alternativa senão pagar pelas asneiras dos outros.
Enquanto os contribuintes continuarem a ser os “credores indefesos de último recurso” não veremos o fim desta charada… chamemos-lhe o que quisermos… mas tipicamente esta charada é pomposamente chamada de sistema financeiro internacional.

Tuesday, July 21, 2015

O rei vai nu e ninguém diz

Discordo destas análises filosóficas sobre as esquerdas e as extremas direitas que não chegam ao âmago da questão financeira que nos sufoca a todos e arrasa outros tantos.

Se examinarmos bem a auditoria da dívida Grega, se olharmos para o que se tem passado em Portugal, o problema é nua e cruamente este:

  • os bancos privados emprestam para além das suas capacidades de manter liquidez - porque o lucro ds juros é demasiado atrativo para os ricaços que recebem salários obcenos
  • os bancos privados pedem liquidez aos bancos nacionais, aos bancos internacionais ao ponto de porem seriamete em risco a sua capacidade de manter liquidez; 
... e aqui começa o ciclo vicioso que nada tem a ver com esquerdas ou extremas direitas; esses são apenas sintomas e oportunismos populistas de um problema mais grave - a falta de sustentabilidade das práticas financeiras dos bancos privados;
  • como os bancos privados não têm liquidez, os bancos internacionais emprestam mas com o aval dos bancos centrais dos países - porque os lucros dos juros são muito atrativos e os gestores desses bancos todos não têm coragem de dizer - há aqui uma corrupção, uma falência do sistema financeiro
E o ciclo repete-se, mas como? Se não há liquidez, como pode o ciclo repetir-se? Como conseguem os bancos privados obter crédito? E porque aceitam os bancos internacionais continuar a conceder crédito? Será que há um credor de último recurso por trás disto tudo?

E a resposta é - Há sim! O povo, o contribuinte, é quem vai pagar por isto tudo! É este o ciclo fechado que a brasileira desmontou, é o segredo que todos sabem. No fim, não se preocupem porque nós, os tais supra-bancos internacionais de último recurso (que sufisma) temos a capacidade de fazer com que o povo pague!

E aqui entram todos os revoltados - das esquerdas, das direitas, extremistas ou não, mas que no fundo são os únicos que gritam - O REI VAI NU!

O resto, os FMI, os BCE, os BMs, os Tusks, são apenas peças deste mecanismo que tem de acabar. O novo sistema, o sistema sensato e sustentável é - Não tem capacidade de restituir? Não emprestamos! Ponto final.
As esquerdas e as extremas disto ou daquilo bem como todos os demais são oportunistas sobre quem os jornalistas gostam de fazer prognósticos porque é muito mais "giro" descrever um movimento político do que um simples mau funcionamento técnico de um sistema financeiro que está mais que documetado nos livros de finaças e economia.
O problema é básico! É técnico! É de incompetência ou malícia básica! Ou de desavergonhada exploração do homem pelo homem!
E já agora, porque será que o Schäuble e a Merkel andam tão amofinados? Talvez porque já perceberam que o sistema bateu no fundo, como no caso específico da Grécia, onde eles sabem melhor que nós, que o tal "credor de último recurso, o povo, ESTÁ FALIDO!" E assim não há mais agentes, para além desses, que lhes valham. E se a maleita continua e não é travada, teremos uma derrocada mundial criada e perpetuada por gente que se esqueceu das normas mais básicas das finanças das pessoas, dos bancos e dos países!

Mas a culpa não é dos Gregos. Chamemos os bois pelos nomes. A culpa é dos partidos que ainda lá estão a funcionar pelos corredores das influências e que durante anos, décadas, só abusaram e tiraram partido pessoal do sistema financeiro. Cá em casa, a culpa é dos nossos partidos (os da destruição das capacidades produtivas de Portugal, e o encosto a fundos europeus que foram desbartados e enriqueceram muitos) e outros que tais...
No fim, a corrupção do sistema está no despudor com que se criou o credor de último recurso para os bancos sem escrúpulos."O povo que é quem paga" abrindo as portas a movimentos populistas, a extremismos e a falsas soluções. Mas esses não são mais do que sintomas de um sistema falido e corrupto onde entram bancos nacionais e internacionais que, até à data, só têm perpetuado e beneficiado com a silenciosa nudez do rei.